Escola Amigos do Verde visita exposição de Karin Lambrecht no Santander

Alunos do Ensino Fundamental da Escola Amigos do Verde visitaram na sexta-feira, 7 de abril, a exposição da pintora, desenhista, gravadora e escultora Karin Lambrecht, mãe de Yole Lambrecht, aluna da Escola desde a Educação Infantil até a conclusão da primeira etapa do EF, em 1992. Na aula-passeio, o grupo de 50 alunos teve a oportunidade de conhecer a mostra “Nem Eu, nem Tu: Nós – A Obra de Karin Lambrecht e o Olhar do Colecionador”, composta por pinturas abstratas, instalações, desenhos e documentos da trajetória de uma das mais destacadas artistas plásticas da “Geração 80”.
Nas suas pinturas, feitas à mão, Karin utiliza elementos da natureza como recurso técnico e expressa o debate entre vida animal e civilização.

Anúncios

Parede de escalada da Escola vai além do exercício físico

Coordenação motora, concentração e raciocínio são habilidades essenciais para todo o ser humano, especialmente para as crianças que estão iniciando na vida escolar. A nova parede de escalada, instalada em janeiro ao lado da quadra poliesportiva da Escola Amigos do Verde, além de ser um exercício, trabalha com a integralidade do ser humano, envolvendo questões relacionadas com os desenvolvimentos físico, emocional e intelectual. “A escalada é uma atividade completa, porque compreende a coordenação motora, a respiração, o pensar e a concentração”, afirma a professora do 1º ano Fernanda Nascimento.

Parceria da Escola com os pais Betina Carminatti e Tiago Santos, presidente da Federação Gaúcha de Montanhismo, a novidade vem provocando aprendizado e diversão para todos, inclusive para professores e equipe diretiva. “Vibramos com a escalada dos colegas e eles vibram com a nossa. A formulação de estratégias para saber onde colocar o pé e/ou a mão também se torna divertido”, ressalta a coordenadora pedagógica Taís Ribeiro Brasil Russo.

Desafio, superação de limites, autocontrole e responsabilidade com o outro são alguns pontos trabalhados com o apoio da iniciativa que, aos poucos, começa a ser praticada pelos alunos do Ensino Fundamental. Gabriel Kerbs Vargas da Silva, do 2º ano, imagina o dia em que ele vai conseguir chegar no topo da parede. “Vai ser legal chegar lá em cima e ver todo o Espaço Cultural”, diz faceiro. Aos que estão com receio de se aventurar na escalada, Joana Carminatti da Silveira Santos, do 3º ano, filha de Betina e Tiago, dá a dica: “Primeiro observa alguém escalando e, quando chegar a tua vez, vai com calma, porque sempre vai ter uma pessoa para te ajudar”, garante.

A parede de escalada reforça uma das principais características do projeto pedagógico da Escola Amigos do Verde: a de trabalhar em conjunto os desenvolvimentos físico, emocional e intelectual.

Amigos do Verde completa 33 anos e consolida projeto pioneiro de escola transformadora

A Escola Amigos do Verde chega aos 33 anos neste mês de março, consolidando um projeto pioneiro de escola transformadora com base em uma proposta de educação integral, aliada a questões ecológicas, alimentação naturalista e valores éticos. “A Escola vive um momento como o de uma colheita fértil, de reconhecimento de um trabalho sólido e consistente realizado nestes 33 anos”, enfatiza a diretora Luna Carneiro Behrends. “Temos planos de novas semeaduras para ampliar nossas hortas e nossas cultivares, mas ainda estamos em fase de estudos de local e época para esses novos plantios.” Psicopedagoga, Luna dá prosseguimento ao projeto iniciado por sua mãe, a educadora Silvia Lignon Carneiro.

Entre outras especialidades, a Escola Amigos do Verde foi pioneira ao adotar a Agroecologia como disciplina, tanto no Ensino Fundamental como na Educação Infantil. Hoje é reconhecida pelo Instituto Ashoka entre as 12 “escolas transformadoras” selecionadas no Brasil. “Ela é e vai sempre ser inovadora e pioneira, porque tem a característica do refletir para gerar ações transformadoras e isso faz toda a diferença”, salienta Silvia Carneiro, diretora fundadora.

Desde 1984, a Amigos do Verde procura formar pessoas preparadas para o mundo, que respeitem as diferenças, sejam cooperativas e tenham uma visão sustentável do planeta. Buscar uma configuração de escola que gere essa transformação através de reflexões individuais, de grupos, familiares, de equipes profissionais que façam as pessoas descobrirem formas melhores de se viver em harmonia é o objetivo, afirma Silvia.

Trabalhar essa consciência com os alunos é fundamental. Conscientizar sobre a alimentação, a respiração, o emocional, os benefícios de estar conectado com a natureza. “Acreditamos que a Escola Amigos do Verde é muito importante nesse papel, porque pode gerar transformação e saúde pessoal, social e planetária”.

Trajetória
Desde 1984 em Porto Alegre e inicialmente denominada Pré-escola Amiginhos do Verde, a instituição mudou o nome, em 1989, para Escola de 1º Grau e Pré-Escola Amigos do Verde, quando passou a oferecer também o Ensino Fundamental até a 4ª série. Hoje, a Escola de Ensino Fundamental e Educação Infantil Amigos do Verde, além da Educação Infantil, oferece do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental. Sua sede está localizada na rua Honório Silveira Dias, 1675, bairro Higienópolis, em uma área de 3.600 m², com uma rica flora e fauna, anfiteatro, quadra de esportes e biblioteca.

Reconhecimentos
Escolas Transformadoras (reconhecimento internacional) | Instituto Ashoka
Aqui se Aprende Brincando (Educação Infantil) e Aqui se Aprende pela
Experiência (Ensino Fundamental) – Pelo Direito de ser Criança – OMO UNILEVER
Prêmio Educação RS – Categoria Instituição | SINPRO RS
Comenda Porto do Sol | Câmara de Vereadores de Porto Alegre

4º ano constrói maquetes de espaços da Escola

Em homenagem ao aniversário de 33 anos da Escola Amigos do Verde, comemorados em março, o 4º ano do Ensino Fundamental, construiu, junto com as famílias, maquetes de alguns espaços da Instituição. A Praça do Fundamental, a Quadra de Esportes, a Biblioteca e o Brinquedão foram escolhidos pela turma da professora Cristiane Amorim. Apresentada para o arquiteto Matos Macchi, avô do aluno Mathias de Matos Macchi, a atividade está inserida no projeto “Artestetura”, que une Artes e Arquitetura.

Amigos do Verde recepciona professores com o Seminário de Verão

img-20170208-wa0004

Para receber os professores, a Escola Amigos do Verde promoveu o tradicional Seminário de Verão, entre os dias 9 e 14 de fevereiro. Entre os objetivos do encontro estavam a qualificação da equipe, o planejamento do projeto pedagógico e reflexões sobre atividades a serem realizadas com os alunos, proporcionando, assim, experiências construtivas a partir da socialização de vivências.

Além das harmonizações, que abrem e encerram as ações da Escola, o evento propôs a discussão de projetos e planos de trabalho baseados em referenciais teóricos. Contou, ainda, com diversas atividades de auto(eco)conhecimento e danças circulares. Seminários de formação acontecem também nas férias de julho e no final do ano letivo.

 

Atividades ao ar livre e de auto(eco)conhecimento fazem parte da recreação de verão

img-20170118-wa0011

A recreação de verão da Escola tem tudo o que a criançada gosta: brincadeiras divertidas, expressão artística, atividades ao ar livre e de auto(eco)conhecimento, contato com a natureza e os animais. Tudo isso numa interação constante e diária com o bosque e os animais da Amigos do Verde. A programação segue até o dia 10 de fevereiro e as inscrições podem ser feitas por semana. Para os interessados em conhecer a Escola, esta é uma ótima oportunidade, porque a programação é aberta para crianças de outras instituições.

img-20170123-wa0004

Amigos do Verde denuncia impactos da obra da Cristóvão Colombo

queda-do-muro

A Escola Amigos do Verde ingressou com denúncia no Ministério Público Estadual – Promotoria de Justiça de Habitação e Defesa da Ordem Urbanística e Promotoria de Justiça da Infância e da Juventude e ao Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-RS) sobre os impactos da obra da trincheira da Avenida Cristóvão Colombo na instituição.

Na ação, encaminhada no dia 9 de janeiro de 2017, a Escola acusa o não cumprimento de prazos e compromissos por parte da Prefeitura Municipal de Porto Alegre e da EPT, empresa construtora, e pede providências para a imediata finalização do muro que circunda o terreno e a devolução da sala liberada para a reconstrução de parte desse muro demolido pela obra.

A Escola também exige a reposição das placas de identificação – retiradas sem autorização e extraviadas – e respeito ao decreto nº 18.585 de proteção ambiental, não permitindo a remoção de mais árvores na reconstrução da parte do muro situado na Rua Honório Silveira Dias.

A direção afirma que há um descaso recorrente da Prefeitura e da construtora, desde o início das obras, há dois anos, e após um longo processo de tratativas e reuniões de negociação da Escola com representantes do governo municipal no ano passado.

O muro de pedra que circunda o terreno teve o segmento da Cristóvão demolido para permitir o recuo necessário para a construção da trincheira e o alargamento da via. Em agosto, esse lado do muro, que estava sendo reconstruído pela prefeitura/EPT, e em estágio final, quase encontrando a esquina com a Honório Silveira Dias, tombou.

Em consequência das intervenções nesse trecho, a parte do muro em frente à Honório, que estava em perfeitas condições até as obras começarem, sofreu uma inclinação, observada em junho de 2016. O laudo feito pelo engenheiro Ricardo Silva confirmou a responsabilidade da obra da trincheira pelos impactos e foi enviado à SMOV. Mas, no dia 30 de setembro, a Secretaria Municipal de Urbanismo notificou a Escola, solicitando a manutenção do muro em um prazo de 60 dias, colocando a Instituição como responsável pelas avarias evidenciadas.

Para a diretora Luna Behrends, “atitudes como estas demonstram descaso com um patrimônio histórico da cidade e falta de comprometimento e de respeito com uma instituição que tem uma trajetória de 33 anos, que atende hoje 200 alunos e é reconhecida (pelo Instituto Ashoka) como uma das 12 ‘escolas transformadoras’ do país”.

Feirão destaca produção dos alunos

capa

O Feirão da Escola Amigos do Verde aconteceu no dia 19 de novembro, com exposição e venda da produção dos alunos em diversas áreas de aprendizado. Nas bancas montadas no pátio da Escola, além do artesanato e dos jogos pedagógicos construídos pelas crianças a partir da utilização de material reciclado, com base nas suas ideias e escolhas, a culinária integral ganhou destaque.

A alimentação saudável faz parte do dia a dia da Escola que oferece uma dieta naturalista e mantém aulas de culinária inseridas nos projetos pedagógicos, com hortaliças plantadas e colhidas pelos próprios alunos.

Através do Programa Acampamento e Acantonamento, os alunos da Educação Infantil e do Ensino Fundamental plantam, no mês de agosto, hortaliças – alface, rúcula, espinafre, cenoura, beterraba -, flores e temperos na Estação Experimental Isla Itapuã, em Viamão. As atividades desenvolvidas em Itapuã possibilitam um contato mais próximo das crianças com a natureza. O Programa tem como objetivo incentivar as famílias a praticarem uma alimentação mais natural, com o consumo de hortaliças e outros produtos sem uso de agrotóxicos.

ludo

Olimpíada 2016, integração no mês da criança

ol

As homenagens para as crianças da Escola Amigos do Verde se estenderam por todo o mês de outubro e estiveram de acordo com a proposta da Escola de proporcionar o desenvolvimento integral do aluno. A Olimpíada 2016 encerrou as comemorações do mês da criança.

Mais do que exaltar a competição, a Olimpíada da Escola Amigos do Verde valoriza a participação e o esforço de cada aluno, estimulando o companheirismo, a solidariedade e o respeito ao outro. O evento incluiu as famílias, que foram convidadas a participar de algumas atividades, como corrida e arremesso de cesta.

ol2

Lançado o Projeto Criança e Natureza

capa

Roda de conversa durante o Encontro Criança e Natureza – Foto Léo Oliveira Contursi

O Projeto Criança e Natureza foi lançado em Porto Alegre no dia 15 de setembro, na Escola Amigos do Verde, com apoio do Instituto Alana e em parceria com o Instituto Sementes ao Vento. A iniciativa se propõe a incentivar o acesso e a experiência direta da criança com a natureza – por meio do brincar livre e exploratório. Além de benefícios relacionados à saúde, o contato com a natureza contribui para o desenvolvimento integral da criança: intelectual, social, emocional, espiritual e físico. No encontro, também ocorreu o lançamento do “Sabiá Laranjeira – Clube Natureza em Família de Porto Alegre”, uma ideia que nasceu na Escola. O Clube busca restabelecer a conexão da infância com a natureza, com o objetivo de estimular, principalmente, famílias que não costumam frequentar as áreas verdes da cidade.

Tanto o Projeto quanto o Clube estão fundamentados no livro “A última criança na natureza”, do jornalista Richard Louv, fundador do “Movimento Criança e Natureza”, nos Estados Unidos – obra lançada no evento.

Participaram de uma de conversa sobre o tema a educadora Silvia Lignon Carneiro, fundadora da Escola Amigos do Verde e diretora geral do Instituto Sementes ao Vento; Laís Fleury, coordenadora do projeto no Instituto Alana; a médica psiquiatra Luciane Mendonça Ferreira; o geólogo Rodrigo Cybis Fontana/UFRGS; e a coordenadora da Educação Ambiental da SMAM, Jaqueline Lessa. O encontro contou com apresentação de canto e dança Mbyá-Guarani pelo grupo Nhamandú, da Aldeia de Itapuã, de Viamão, e uma feirinha de artesanato indígena com renda revertida para essa comunidade.

loc

Feira de artesanato indígena na Escola Amigos do Verde – Foto Léo Oliveira Contursi

A íntegra do evento está disponível nos links mais abaixo:

Para acompanhar e participar das ações do “Sabiá-Laranjeira – Clube Natureza em Família de Porto Alegre”, basta acessar a página no Facebook: http://www.facebook.com/Sabiá-Laranjeira

Informações importantes sobre a proposta estão também no site do Clube Criança e Natureza, com orientações para a organização de clubes, disseminando a ideia: http://criancaenatureza.org.br/nossas-acoes/clubes-natureza-em-familia/